Nós vos tocamos flauta, e não dançastes; entoamos lamentações, e não pranteastes” (Mateus 11:17). Você sabia que o ministério da Palavra tem uma estreita relação com os aspectos humanos de quem a ministra?

Vamos usar uma ilustração. Suponha que um músico seja capaz de tocar piano, órgão e violão. Ele pode tocar a mesma música em diferentes instrumentos. Uma vez que cada instrumento possui características peculiares, o som de cada um é distinto. As várias características dos instrumentos ajudam a expressar o sentimento do músico. De igual forma é o ministério da Palavra. Por meio de cada ministro, a Palavra é transmitida com elementos humanos peculiares. No entanto, para falarmos a Palavra de Deus às pessoas, devemos estar afinados a fim de que a Palavra flua como se fosse uma linda música que toca o coração de quem a ouve.

Em 2 Coríntios 2:4, lemos: “No meio de muitos sofrimentos e angústias de coração, vos escrevi, com muitas lágrimas”. Aqui, Paulo está ministrando a Palavra de Deus aos coríntios. Ele escreveu sob grande aflição. Escreveu com muitas lágrimas. Trata-se do um exemplo de um indivíduo cujo ser estava totalmente envolvido com a Palavra. Seus escritos estavam cheios de sentimentos humanos. A Palavra de Deus nele fez com que sofresse e derramasse muitas lágrimas. O grau de disciplina que o indivíduo recebeu do Senhor e a medida das provações às quais foi submetido podem tornar-se visíveis em uma pregação.

Assim, é enorme a responsabilidade daqueles que pregam a Palavra de Deus. Ao contrário do que muitos pensam, o problema fundamental da pregação não se baseia no quanto conhecemos a Bíblia, pois o mero conhecimento de doutrinas é de pouca utilidade. O conhecimento pode ser totalmente objetivo; pode ser transmitido sem que haja envolvimento pessoal. Não pensemos que qualquer pessoa pode pregar a Palavra de Deus. Apenas aqueles que são transformados por Deus têm utilidade nas mãos do Senhor em Seu ministério da Palavra. Assim, o ministério da Palavra não é mera transmissão de sermões que memorizamos. O Senhor deseja usar-nos como canais de água viva. No entanto, para que a água viva flua livremente de nós, temos de estar limpos diante de Deus, senão obstruiremos Sua palavra.

A verdadeira pregação não se baseia em inteligência ou eloquência, mas no quanto fomos trabalhados pelo Senhor. Que sejamos todos afinados a fim de sermos usados por Deus como instrumentos úteis em Seu ministério da Palavra.

Assine já o Jornal Árvore da Vida. Para assinar Clique Aqui