O que é a igreja?

Muitos têm um conceito errado sobre o verdadeiro significado de igreja . Em Mateus 16 lemos: “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (v. 18). A palavra igreja nesse texto é o equivalente a ekklesía, no grego, isto é, a assembleia dos que foram chamados para fora . Diferentemente do que muitos pensam a igreja não é um templo físico, material; tampouco uma organização humana, mas um grupo de pessoas que foram chamadas para fora do mundo. Além disso, o sentido da palavra ekklesía sugere algo dinâmico e não estático. Ao falar sobre a igreja, o Senhor Jesus se referia ao viver das pessoas que nasceram de novo e foram chamadas por Deus para estarem juntas. A igreja não é algo físico, fixo e estático, e muito menos uma organização humana. A igreja é o Corpo de Cristo (Ef 1:22-23), é algo vivo, orgânico, e que se move conforme a necessidade da Cabeça, que é Cristo. Como membros de Seu Corpo, recebemos a vida divina para exercer nossa função conforme Sua vontade. Em certos lugares, alguns irmãos presumem que somente aqueles que partem o pão, tomam a ceia com eles ou que foram batizados no meio deles são considerados a igreja. Contudo a Bíblia não diz isso, pois todos os que creem são membros do Corpo de Cristo, pois foram batizados para dentro de um mesmo Corpo (1 Co12:12-13).

A igreja é revelada

Antes de revelar a igreja, o Senhor Jesus trata de dois assuntos muito importantes. O primeiro é sobre o sinal de Jonas, um profeta que foi engolido por um grande peixe e depois de três dias foi lançado na praia. Jonas prefigura Jesus, Aquele que morreu, mas que ao terceiro dia ressurgiu. A igreja é fruto da morte e ressurreição do Senhor (Mt 16:1-4). O segundo item a que o Senhor se refere é o fermento que diz respeito às tradições e conceitos humanos (vs. 5-7, 12; Mc 8:15; Ap 2:20, 24; Gl 5:9). Se queremos obter a revelação da igreja precisamos nos afastar dessa esfera. Essa foi a razão porque o Senhor levou Seus discípulos para Cesareia de Filipe e ali importantes revelações foram feitas. O Pai revelou a Pedro que Jesus é o Filho de Deus, e o Filho revelou a igreja. A primeira revelação diz respeito ao que o Senhor é, e a segunda, refere-se ao que Ele deseja. Perguntou Jesus a Seus discípulos:“Quem diz o povo ser o Filho do Homem? E eles responderam: Uns dizem: João Batista; outros: Elias; e outros: Jeremias ou algum dos profetas. Mas vós, continuou ele, quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16:13-18). Assim a igreja foi revelada. Aqui fica uma lição: se estivermos cheios do fermento da religião, formatados de velhos conceitos, tradições e ensinamentos religiosos, não conseguiremos receber aquilo que o Senhor realmente deseja falar-nos. Precisamos ser levados para um lugar sem contaminação, sem poluição, para entender o que o Senhor quer dizer-nos.

Para isso precisamos deixar de lado todo fermento acrescentado à Palavra de Deus, inclusive o que associa a igreja a um templo, prédio ou local de reuniões. A vontade de Deus é que comamos alimento sólido, sem fermento (1 Co 5:7-8; Hb 5:14).

A igreja é um viver

Deus deseja o nosso crescimento de vida. A vida da igreja é o ambiente onde Ele nos colocou para que ocorra esse crescimento. A igreja não está relacionada com coisas estáticas, mas é algo dinâmico, um viver que inclui nossa vida de comunhão com os irmãos em Cristo, as reuniões cristãs, nosso serviço ao Senhor, além de nosso viver familiar e social.

O lugar onde negamos a nós mesmos, tomamos a cruz e seguimos o Senhor

Se alguém deseja seguir o Senhor, precisa negar a si mesmo (Jo 12:25-26).Negar o ego possui dois aspectos: o primeiro é nossa própria pessoa; o segundo, as nossas opiniões. Ao seguir o Senhor, muitas vezes abrimos mão de características próprias de nossa personalidade; outras vezes, deixamos de lado nossa opinião. Tomar a cruz significa identificar-se com a crucificação do Senhor, reconhecendo que ela também foi nossa própria crucificação (Gl 2:19).

O lugar onde a nossa vida da alma é exposta

A vida da igreja é a oportunidade dada por Deus para negarmos a nós mesmos e para a vida divina crescer em nós, a fim de sermos aprovados no tribunal de Cristo. Se, hoje, aproveitarmos essa oportunidade e negarmos a vida da alma, no futuro certamente receberemos louvor, glória e honra (1 Pe 1:7). Pela misericórdia de Deus, Ele sempre expõe nossa vida da alma, dando-nos chance de nos arrepender na Sua presença. Mesmo os que servem o Senhor há muito tempo na vida da igreja, precisam perceber que ainda têm de negar a si mesmos e repreender tudo aquilo que é proveniente do ego caído. Quem vive a vida da igreja em realidade, no espírito, logo percebe isso. Se nossa vida da alma ainda está muito ativa, é porque não a negamos o suficiente. Mas, para que a vida de Deus opere em nós, precisamos vencer nossa alma, nosso ser natural. Deus sabe como somos fortes em nossa alma, por isso Ele sempre vem expor nossa situação.

O lugar para crescermos em vida

A vida da igreja é onde Deus nos colocou para que haja esse crescimento. Eu sempre uso uma ilustração para explicar como isso ocorre: se um copo estiver cheio de água, representando minha vida natural, não há como acrescentar mais água. É necessário esvaziar um pouco o copo para acrescentar mais água. Do mesmo modo, Deus não encontra espaço para acrescentar Sua vida a mim, se eu estiver cheio da minha vida natural. Dessa maneira, somente quando eu jogar fora um pouco de meu ser natural, é que Deus encontrará espaço para acrescentar mais de Sua vida a mim. Cada vez que invoco: “Ó Senhor Jesus!”, me esvazio de mim mesmo e a vida de Deus é mais acrescentada em meu ser. Experimente! Procure fazer isso agora mesmo: invoque o nome do Senhor! Assim você jogará fora um pouco de sua vida da alma, para que a vida de Deus seja acrescentada em você.

O lugar onde se invoca o nome do Senhor

A igreja é o lugar onde se invoca o nome do Senhor. Na Primeira Epístola aos Coríntios, o apóstolo Paulo destinou claramente sua carta à igreja de Deus que estava em Corinto, a todos os que em todo lugar invocavam o nome de nosso Senhor (1:2b). Quando ele pregava o evangelho, em cada cidade por onde passava, ajudava e ensinava as pessoas a invocar o nome do Senhor (Rm 10:13; 1 Co 1:2; 2 Tm 2:22). Onde quer que a igreja fosse estabelecida, ali se invocava o nome do Senhor. Isso é muito importante, porque sempre que uma pessoa invoca o nome do Senhor, ela sai de si mesma e se conecta ao Espírito (1 Co 12:3). Dessa forma, passa a ser guiada pelo Espírito.

O lugar onde Deus executa Sua vontade

A igreja é o lugar onde Deus executa Sua vontade. Ela tem as chaves do reino dos céus (Mt 16:19) e, além disso, foi-lhe confiado pregar o evangelho do reino a toda a terra habitada para que o Senhor volte, julgue as nações com Seus reis e exércitos, derrote o anticristo e restabeleça a autoridade de Deus na terra. Então o reino deste mundo se tornará de nosso Senhor e de Seu Cristo, e, juntamente com Ele, os santos vencedores reinarão sobre a terra. Essa é a vontade eterna de Deus.

O lugar onde somos aperfeiçoados e preparados para reinar com Cristo

Nos últimos anos temos visto que o foco de Deus é o reino, e esse deve ser também o foco de nossa vida cristã (Mt 6:9-10, 33; At 1:3). Mas isso não significa que o viver da igreja não é importante, pelo contrário, a ênfase no reino revela a verdadeira função da igreja. Em Mateus 16:19 lemos: “Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus”. Sem a igreja, ninguém entra no reino dos céus, porque ela tem as chaves do reino; é na igreja que nós somos aperfeiçoados para entrar no reino e reinar com o Senhor (Hb 2:5).

A abrangência da vida da igreja

O viver da igreja é o ambiente em que o Senhor nos transforma, e esse viver é constituído de quatro esferas: as reuniões, o viver familiar, o viver social e a batalha espiritual. Precisamos do viver de reuniões, pois nelas podemos exercitar o espírito, ter comunhão uns com os outros, receber luz coletivamente e nos alimentar da Palavra. Somos o rebanho do Senhor; não conseguimos viver sozinhos (Jo 10:11-15). Porém a vida da igreja não se limita às reuniões cristãs. Não podemos ter um viver nas reuniões e outro em casa, por isso a vida da igreja inclui também a vida familiar: em casa devemos ruminar a Palavra, orar com nossos familiares e ter momentos de comunhão pessoal com o Senhor a fim de ter intimidade com Ele. Além desses dois tipos de viver da igreja, devemos também exercitar o espírito e nos voltar a ele na vida social. No trabalho ou na escola, devemos sempre dar bom testemunho e expressar o Senhor tanto em ações como em palavras, pregando o evangelho aos nossos colegas e conhecidos. Além disso, não podemos esquecer que estamos em uma guerra espiritual, batalhando a favor do reino de Deus, e a todo tempo precisamos vigiar e orar, pois o inimigo de Deus não dorme; ele quer nos matar, roubar e destruir para impedir que o reino de Deus se manifeste (Mt 26:41; Jo 10:10, Gl 5:17; Ef 6:12). Esses quatro campos de nosso viver fazem parte da vida da igreja; em todos eles devemos ter experiências subjetivas da obra transformadora do Senhor em nós, como as que Pedro teve de ser purificado pelo fogo (1 Pe 1:6-7; 4:12). Quando nos voltamos ao nosso espírito, o fogo do Espírito pode consumir todas as nossas impurezas. Que todos nós vivamos a vida da igreja, exercitando o espírito no viver de reuniões, na vida familiar, na vida social e na batalha espiritual a favor do reino de Deus. Aleluia!

Nossa comunhão com todos os filhos de Deus

Devemos manter comunhão não apenas com os irmãos com quem nos reunimos, mas ampliar esse círculo de comunhão e alcançar os muitos filhos de Deus. Que o Senhor alargue cada vez mais nosso coração, a fim de acolhermos a todos, como Ele também nos acolheu (Rm 15:7)!

A igreja não é algo físico, fixo e estático, e muito menos uma organização humana.

A igreja é o Corpo de Cristo. A igreja é um lugar maravilhoso!

A vida da igreja inclui: as reuniões, o viver familiar e social, e a batalha espiritual.

Texto retirado do livro: Os grandes diamantes da bíblia, capitulo 13.