Resultados da sua busca

DIETA E SAÚDE ESPIRITUAL

12/07/2019

Saiu recentemente num jornal da internet que, até 2030, metade da população dos EUA será obesa, a menos que mude seus hábitos de vida. A obesidade pode ser resultado de distúrbios hormonais, de maus hábitos alimentares e da falta de exercícios físicos.

O excesso de peso acarreta o aumento da incidência de hipertensão arterial, diabetes tipo 2, doenças cardíacas e até câncer de endométrio. Para se livrar da obesidade, muitos procuram fazer cirurgias, mas estas, além de muito caras, apresentam um risco aumentado de complicações. Outros se esforçam por fazer dieta e exercícios. Esse caminho é bem melhor, porém requer atitude e perseverança.

A reportagem citada relata a história de um jovem que perdeu 50 quilos após uma cirurgia bariátrica. Esse jovem, refletindo sobre a causa da morte de sua mãe, concluiu que precisava mudar seus hábitos. Com a ajuda de uma amiga, que é personal trainer, e de sua irmã mais velha, o rapaz de vinte e três anos entrou num programa de reeducação alimentar e exercícios durante um ano e meio. Ele passou a comer de maneira saudável com intervalos de três horas e agora goza de muito mais disposição, saúde e uma vida social bem melhor. Para isso, sua disposição e perseverança foram fatores importantes. Não lhe bastou apenas saber o que devia ser feito; mas teve de colocar em prática até obter o resultado esperado.

Falar sobre a vida conjugal é como falar sobre dieta ou reeducação alimentar: todos temos boas ideias e conselhos, mas o que realmente importa é estarmos dispostos a mudar nossos hábitos e praticar o que a Palavra de Deus diz. Temos tudo para viver uma vida conjugal feliz e útil a Deus, fazendo Sua vontade, mas para isso precisamos ter uma mudança na maneira de ver as coisas e também nos hábitos que temos ou adquirimos em nosso relacionamento.

Primeiramente vamos verificar como anda nossa “dieta” conjugal: de que estamos nutrindo nosso relacionamento com a pessoa amada (João 6:57)? Muitos casais têm um relacionamento ruim: é como se tivessem muita “gordura” no coração, pois estão cheios de mágoas, desrespeito, egoísmo, vaidades, orgulho. Quase não conversam um com o outro, e, quando o fazem, são vorazes, sempre se acusando mutuamente. A boca fala do que está cheio o coração (Lucas 6:45)! À mesa “servem” cobranças, ciúmes, discussões e comparações, usando palavras agressivas, maldosas e arrogantes, pois é disso que o coração está cheio. Pouco se vê respeito, tolerância, perdão. Que se pode esperar de relacionamentos assim? As artérias que levam o oxigênio do Espírito estão obstruídas; logo, cedo ou tarde ocorrerá um “enfarte” nesse relacionamento e o casamento poderá sucumbir.

Mas isso pode ser diferente! Como ocorreu com o jovem da reportagem acima, precisamos mudar de atitude e nos cercar de pessoas que estejam, de fato, dispostas a nos ajudar. Além disso, nossa “dieta” precisa mudar; como diz o profeta: precisamos encher nosso coração com aquilo que pode nos dar esperança (Lamentações 3:21).

Que tal gastar mais tempo com a Palavra de Deus e com os livros espirituais que nos ajudam a entender o propósito de Deus para nossa vida (Colossenses 3:16)? Que tal ter mais comunhão com Ele antes de abrir a boca para julgar ou criticar o cônjuge? Que tal invocar mais o nome do Senhor Jesus, crendo que Ele é poderoso para nos fortalecer e suprir com Sua graça? Precisamos também fortalecer nosso coração com o perdão, e isso só é possível quando formos tocados pelo grande perdão de Deus. Se vivermos mais no espírito, em Sua presença, haverá abundância de amor, tolerância e paciência. Pratique e veja os resultados: são surpreendentes!

Assine já o Jornal Árvore da Vida. Para assinar Clique Aqui

As propagandas exibidas neste site são baseadas nos interesses do usuário, coletadas pelos mecanismos de busca durante a navegação, por isso o conteúdo delas pode variar.