Resultados da sua busca

FAZER A ESCOLHA CERTA

18/10/2019

Dois caminhos, dois destinos

O desejo do Senhor ao proferir o sermão do monte, registrado nos capítulos 5-7 de Mateus, era advertir Seus discípulos a não viverem de qualquer maneira. Ele queria ensiná-los sobre qual deve ser o padrão dos que irão governar o mundo que há de vir (Hebreus 2:5). Nessa edição, trataremos de alguns itens apresentados pelo Senhor, como cruciais para os que irão reinar descritos no capítulo 7.

Em Mateus 7:13-14 lemos: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela”. Vemos duas portas e dois caminhos, porém temos uma escolha a fazer. Se andamos com muita liberdade, se temos muito espaço para fazer nossas vontades, é preciso ir diante do Senhor para receber luz sobre o quanto ainda somos independentes.

Em uma situação normal devemos escolher aquilo que nos conduz para a vida.

Infelizmente ainda há muitos filhos de Deus que perdem muito tempo com coisas que distraem e conduzem ao caminho espaçoso.

Isso acontece porque, por um lado, temos o inimigo de Deus, que está sempre nos tentando com a finalidade de nos causar dano. Por outro lado, nossa própria natureza caída é capaz de nos afastar da comunhão da vida.

Analisar ou praticar
Tomemos como exemplo o estudo das verdades espirituais. Se não prestarmos atenção, até mesmo isso pode nos afastar do próprio Senhor (João 5:39-40). Embora seja importante ter conhecimento bíblico, nossa ênfase deve ser a prática (13:17). O simples fato de estudarmos as verdades faz com que usemos nossa mente. Se apenas analisarmos as Escrituras, o resultado será morte (2 Coríntios 3:6). Ao estudar a Palavra de Deus, devemos colocar a mente no Espírito com o objetivo de praticá-la; e o resultado será vida e paz (Romanos 8:6).

O Senhor mesmo disse que são poucos os que acertam com a porta estreita. Sejamos, portanto, diligentes e clamemos a Ele por luz, para discernirmos o caminho por onde andamos.

Duas árvores, duas consequências
O Senhor deseja que todos os Seus filhos sejam conduzidos pelo caminho da vida. No entanto, assim como foi na queda do homem em Gênesis 3, ainda nos deixamos ser seduzidos pelo conhecimento. Como vimos, tomar a Palavra como mero conhecimento não produz vida; antes, ensoberbece e produz morte (1 Coríntios 8:1b; 2 Coríntios 3:6).

O caminho que conduz para a vida é apertado (Mateus 7:14). Podemos dizer que esse caminho nos restringe, limitando nossas ações. Essa restrição está relacionada à palavra dita pelo Senhor aos discípulos em Mateus 16: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (v. 24). Por essa razão, podemos afirmar que o mais importante hoje no viver da igreja é a nossa necessidade de negarmos o ego para seguir o Senhor. Esse é o caminho para a vida e também é o caminho que nos fará entrar no reino dos céus.

Na sequência de Mateus 7, o Senhor usa o exemplo das árvores e seus frutos para nos instruir: “Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis” (vs. 16-20).

Em Gênesis vemos que Adão foi colocado diante da árvore da vida e da árvore do conhecimento do bem e do mal. Deus o autorizou a comer de todas as árvores do jardim, mas o advertiu a não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal, pois o resultado seria a morte (Gênesis 2:16-17).

Precisamos ter um espírito de discernimento, para não sermos confundidos, distraídos ou enredados pelo inimigo, como aconteceu com Adão e Eva. Que possamos sempre escolher do fruto da árvore da vida. Aquilo que escolhemos hoje para nos alimentar determinará se iremos reinar com Cristo ou se seremos deixados fora do reino.

No final de Mateus 7, o Senhor mostra a importância de praticar Seus ensinamentos:

Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as prática será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína (vs. 24-27).  Não podemos nos iludir, mas devemos refletir sobre como temos edificado nossa vida espiritual. Se for sobre o mero conhecimento de doutrinas, quando vierem as provas, ruirá. Mas, se edificarmos sobre a prática das palavras do Senhor, permaneceremos firmes.  Façamos escolhas que sempre nos conduzam a seguir o Senhor negando a vida da alma, nos alimentando da árvore da vida e praticando Seus ensinamentos. (Inspirado no Alimento Diário: Ensinando os discípulos, semana 7, publicado por esta editora).

Assine já o Jornal Árvore da Vida. Para assinar Clique Aqui

As propagandas exibidas neste site são baseadas nos interesses do usuário, coletadas pelos mecanismos de busca durante a navegação, por isso o conteúdo delas pode variar.