Palavras dirigidas pelo irmão Dong Yu Lan aos colportores em Belo Horizonte, na manhã de 23/03/15

Texto não revisado. Pode conter erros ortográficos ou de digitação.

Graças ao Senhor por esta comunhão com os colportores. O nosso encargo é levar vida. Por isso mesmo temos tentado envolver os pastores neste ministério. Mas, na prática, temos encontrado muitas dificuldades. Temos percebido a dificuldade de convivência da vida com a religião.

Aqui na Região 06 temos obtido muito avanço com o trabalho dos colportores, com o acréscimo constante do número de irmãos nas igrejas. Por isso mesmo outras regiões de obra podem também receber ajuda desta Região.

A vida da igreja precisa ser um lugar de aperfeiçoamento e ganhar pessoas. O normal é sempre haver a introdução de filhos novos, fato que demonstrará o quanto estamos novos ou se caímos em uma tradição.

Quanto aos pastores e demais filhos de Deus não devemos também nos esquecer deles, pois também temos uma comissão junto a eles.

Temos uma necessidade de produzir mais colportores. A vida que temos recebido está sendo transformada em livros que precisam ser colocados nas mãos das pessoas.

O nosso encargo atual é o livro de Gálatas. Temos visto que eles eram crentes novos, que estavam sofrendo a influência da religião. Práticas legalistas como a circuncisão estavam sendo introduzidas no meio deles.

Esta foi a motivação que levou Paulo escrever a epístola aos gálatas. Para ajudá-los Paulo apresentou a linha da filiação. Não devemos permanecer apenas no título de filhos, mas avançar para a realidade que é a plena filiação.

Quando crescemos em vida todos os nossos problemas, que estão relacionados com a nossa infantilidade, serão resolvidos.

Onde podemos ganhar esta experiência constante? Somente na esfera da vida da igreja. Nós, como colportores, não podemos abrir mão de uma vigorosa vida da igreja.

A maneira como os colportores têm sido conduzidos aqui na Região 06 está muito correta, pois estão sendo levados a viver a vida da igreja, crescendo em vida e ganhando filhos novos para as igrejas.

O ponto mais importante é: estamos crescendo em vida? Não podemos fracassar neste item como os anjos do mundo de outrora. Deus quer dar a nós o governo do mundo que há de vir, mas para isso precisamos crescer em vida.

Também precisamos ser mais aperfeiçoados no aspecto administrativo. Como colportores temos mais oportunidade que qualquer outro de desenvolvermos a nossa habilidade administrativa.

Estas habilidades são desenvolvidas tanto em nosso serviço na igreja quando em nosso contato com o público externo.

Os colportores estão na linha de frente da obra do Senhor. Por isto temos ainda uma preocupação com a humanidade dos colportores. Como cuidar de suas necessidades básicas? Como fazer quando os colportores atingirem a idade mais avançada e não mais puderem trabalhar?

Estamos buscando e desenvolvendo projetos de levantamento de recursos financeiros que possam ser usados para dar melhores condições de vida aos colportores. Este é o nosso coração, mesmo que ainda não saibamos com precisão como será feito.

O importante é continuarmos neste caminho: tomando as palavras que são ministradas e praticando. Assim levaremos adiante este ministério do espirito e da vida!