O DESFRUTE DO GALARDÃO

 Em Mateus 5: 11-12, o Senhor Jesus diz: “Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem e  vos perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus”. O galardão prometido pelo Senhor aos vencedores é grande e celestial.

Em Mateus 16:27 há outra referência ao galardão: “O Filho do homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras”. Conforme indicado pelos versículos 25 e 26, o galardão do Senhor para Seus seguidores está ligado ao fato de terem ou não negado a vida da alma, de terem ou não tomado a cruz. As “obras” citadas no versículo 27 referem-se a perder a alma por permanecer sob o operar da cruz. Se tomarmos a cruz para seguir o Senhor, perdendo o desfrute de nossa alma hoje, herdaremos o reino. Essa recompensa não tem relação com nossa salvação eterna, mas, sim, com o galardão dispensacional do Senhor para nós. Todos os crentes que seguirem o Senhor, permanecendo sob o operar da cruz, serão recompensados na manifestação do reino.

Muitos cristãos não têm sido fiéis em desfrutar Cristo. Por essa razão, Deus tem apresentado o galardão do reino como um incentivo. Se não desfrutarmos fielmente Cristo hoje, perderemos Seu desfrute na era vindoura.

Em 2 Coríntios 5:10 lemos: “Importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo”. Em Sua segunda vinda, Cristo julgará Seus crentes, não no tocante à salvação eterna, mas concernente ao galardão. A salvação nos foi dada livremente, baseada na eterna redenção de Cristo e em Sua seleção (Hebreus 9:12). Contudo, após sermos salvos, descobrimos que somos um problema para Deus e para nós mesmos. Sempre que desejarmos ser fiéis ao Senhor, descobriremos que em nós, em nossa carne, há uma indisposição de seguir o Senhor; quanto mais quisermos ser pacientes e santos, mais descobriremos nossa impaciência e impureza. Para lidar com tudo isso, precisamos da cruz de Cristo. Então, Deus, em Sua sabedoria, deu-nos, em adição à salvação eterna, um galardão, uma recompensa, como incentivo para que sejamos fiéis a Ele, vivendo e trabalhado para agradá-Lo.

A salvação é por fé, não dependendo de obras, enquanto o galardão ser-nos-á dado de acordo com nossas obras (Efésios 2:8-9). Em 1 Coríntios 3:8b, Paulo nos diz: “Cada um receberá o seu galardão, segundo o seu próprio trabalho”. Dos versículos 9 a 13 o apóstolo esclarece que esse “trabalho”, essa obra, está relacionado à edificação da igreja sobre Cristo como o único fundamento. Ele diz no versículo 14: “Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão”. De acordo com o contexto, a obra que permanece é a que é feita com ouro, prata e pedras preciosas, que simbolizam a obra do próprio Deus Triúno. Portanto, a edificação da igreja é o resultado do trabalho de Deus em nós, e isso ocorre por meio do operar da cruz e do negarmos a nós mesmos.

É frequente os cristãos confundirem os versículos que fazem referência ao galardão com os que se referem à salvação. Com isso, chega-se à errônea conclusão de que a salvação pode ser perdida. O galardão é baseado na obra dos cristãos após  terem sido salvos, diferentemente da salvação, que é baseada na fé no Senhor Jesus e em Sua obra redentora. Paulo não escreveu 1 Coríntios para ajudar pecadores a serem salvos, mas para ajudar os salvos a crescerem, a edificarem com materiais preciosos, a cuidar dos membros do Corpo e a correr a corrida (3:6-7, 10, 12-14; 8:9-13; 9:24). Por isso, o galardão é mencionado várias vezes como um incentivo para o progresso dos crentes (3:14; 9:18, 24-25).

Por fim, em Apocalipse 3:12, o Senhor diz: “Ao vencedor, fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá; gravarei também sobre ele o nome do meu Deus, o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém que desce do céu, vinda da parte do meu Deus, e o meu novo nome”. Essa promessa será cumprida no reino milenar como um prêmio para os vencedores. O nome de Deus, o nome da nova Jerusalém e o novo nome do Senhor escritos sobre os vencedores indicam que eles serão possuídos por Deus e pelo Senhor Jesus. Indicam também que o próprio Deus, Sua cidade e o Senhor lhes pertencerão, que eles serão um com Deus, com a nova Jerusalém e com o Senhor. Escrever esses três nomes sobre os vencedores indica que o que Deus é, a natureza da nova Jerusalém e a pessoa do Senhor serão trabalhados para dentro deles. A nova Jerusalém ataviada como noiva adornada no reino milenar será um prêmio somente para os santos vencedores, enquanto a nova Jerusalém como a cidade santa, no novo céu e nova terra, será a porção comum, pela eternidade, de todos os redimidos.

O Senhor Jesus nos encoraja e estimula com a promessa do galardão, que será um desfrute especial e íntimo de Sua pessoa por mil anos. Todos os que amam o Senhor devem ser encorajados com essa visão e, com isso, voltar-se a Ele, buscando ser vencedores.

Assine já o Jornal Árvore da Vida. Para assinar Clique aqui